Showing 10 Result(s)

Lampreia à moda de entre-os-rios

lampreia ocupa um lugar de destaque em todas as ementas no início da prima-vera e no período da Páscoa, sobretudo durante os dias em que se realiza o Festi-val da Lampreia de Entre-os-Rios.

Favas à algarvia

O Algarve oferece-nos uma gastronomia rica, diversificada, com qualidade e extremamente saborosa. Este prato típico do Barrocal e da Serra Algarvia é bastante saboroso e fácil de confecionar:

Francesinha com batata frita e ovo

A francesinha tem a forma de um sanduíche e é constituída por linguiça, salsicha fresca, fiambre, carnes frias e bife de carne de vaca, coberta com queijo posteriormente derretido. É guarnecida com um molho à base de tomate, cerveja e piri-piri. Os acompanhamentos de ovo estrelado (no topo da sanduíche) e batatas fritas são facultativos
Ingredientes necessários:

Polvo Assado no Forno

Nos Açores as receitas de polvo abundam por todo o Arquipélago. Apesar de alguns açorianos dizerem que o polvo assado no forno não é das receitas mais tradicionais, foi a seleccionada para representar o arquipélago. Segundo informação da organização das 7 Maravilhas da Gastronomia Portuguesa o polvo assado no forno é confeccionado em todas as ilhas de um modo geral, mas é no Concelho de Ponta Delgada que, nas décadas de 1950 e 1960, atingiu o estatuto de “marca” em duas emblemáticas e distintas, casas de pasto, uma situada na Freguesia da Relva, e outra na Freguesia dos Mosteiros..

Choquinhos à algarvia

Choquinhos à algarvia é um prato típico da região do Algarve, em Portugal.
Tal como o nome sugere, trata-se de um prato preparado com chocos pequenos.

Arjamolho

Arjamolho é uma sopa fria típica da zona de Portimão, Silves, e outras, no Algarve, semelhante ao gaspacho e confeccionada com pão, tomate, pimento, pepino, azeite, vinagre e sal.

Habitualmente acompanha sardinha assada em dias quentes de verão.

Sopa da Pedra

Um frade pobre, que andava em peregrinação, chegou a uma casa e, orgulhoso demais para simplesmente pedir comida, pediu aos donos da casa que lhe emprestassem uma panela para ele preparar uma sopa – de pedra… E tirou do seu bornal uma bela pedra lisa e bem lavada. Os donos da casa ficaram curiosos e, de imediato, deixaram entrar o frade para a cozinha e deram-lhe a panela. O frade colocou a panela ao lume só com a pedra, mas logo disse que era preciso temperar a sopa… A dona da casa deu-lhe o sal, mas ele sugeriu que era melhor se fosse um bocado de chouriço ou toucinho. E lá foi o unto para junto da pedra. Então, o frade perguntou se não tinham qualquer coisa para engrossar a sopa, como batatas ou feijão que tivessem restado da refeição anterior… Assim se engrossou a sopa “de pedra”. Juntaram-se cenouras, mais a carne que estava junta com o feijão e, evidentemente, resultou numa excelente sopa. Comeram juntos a sopa e, no final, o frade retirou cuidadosamente a pedra da panela, lavou-a e voltou a guardá-la no seu bornal… para a sopa seguinte!